<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=378294832364035&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Blog

Novas tecnologias dentro do centro de distribuição

Por Fabricio Santos em 31 de Janeiro de 2017

novas tecnologias.jpg

Somos testemunhas de um momento em que é absolutamente normal nos depararmos com novas tecnologias para o atacado distribuidor, aqui e ali, capazes de otimizar o tempo de produção, agilizar processos, integrar etapas produtivas e encurtar distâncias ou facilitar a comunicação.

Acontece que esse tornado tecnológico, que varre as nossas certezas de um dia para o outro, é também um jogo perigoso, no qual nunca sabemos ao certo se esses adventos realmente cumprem o prometido.

Por conta disso, reunimos neste post tudo o que você precisa saber sobre como a tecnologia otimiza os processos de um centro de distribuição – em especial, sobre 3 delas (EDI, RFDI e WMS), que já são consideradas as grandes responsáveis pela transformação digital para o atacado distribuidor. Confira!

Como funciona o EDI (Electronic Data Interchange)

Em português, a tecnologia ficou famosa por Intercâmbio Eletrônico de Dados, cujo objetivo é facilitar e tornar mais ágil a transmissão eletrônica de dados de uma empresa. Com isso, reduz-se a intervenção humana nos processos, visando reduzir a zero a possibilidade de erros.

A vantagem em contar com o EDI no seu centro de distribuição é facilmente explicada também: esse tipo de tecnologia automatiza o compartilhamento de dados entre sistemas, tornando desnecessária a inserção manual.

Isso ajuda a:

  • Eliminar erros de digitação;
  • Agilizar o tempo de processamento dessa etapa produtiva;
  • Mantém os dados internos sob controle;
  • Economia de recursos (como a redução no número de impressões para verificar os dados).

Isso sem falar que o EDI também é muito usado e aclamado por transmitir transações diversas, como notas, encomendas e faturas, o que aperfeiçoa o desempenho organizacional da sua empresa, como um todo.

Não à toa, o EDI é um dos queridinhos quando se busca economia de tempo, redução nos gastos e um diferencial na melhoria de processos e operações.

Como funciona o RFDI (Radio Frequency Identification)

Também conhecido como um sistema responsável pelo rastreamento de frotas, o RFDI é uma solução versátil que faz uso da frequência de rádio para receber e armazenar dados com um número específico de registro de cada informação arquivada.

O RFDI tem se destacado, no ramo, por conta da facilidade com que esse processo permite manter produtos e objetos sob controle, como é o caso do controle de estoque, por exemplo.

Para esse fim, o Radio Frequency Identification facilita o rastreamento do produto com precisão, ainda mais pela possibilidade de rastreá-lo por meio do seu SKU (Stock Keeping Unit ou Unidade de Manutenção de Estoque) e com o auxílio de dispositivos eletrônicos que podem emitir sinais de rádio na mesma frequência – como é o caso de tags e transponders.

Assim, há como operar sem riscos de erros e, ainda, aumentar a produtividade da empresa.

Além disso, essa tecnologia também pode ser empregada de outras formas, como na localização de objetos ou para prevenir a falsificação de documentos, entre outras possibilidades.

Com isso, o RFDI conta com uma série de vantagens – ainda mais quando o comparamos com uma tecnologia consolidada no mercado, como o código de barras. Entre as principais, podemos citar:

  • Consegue fazer a leitura do produto mesmo sem a necessidade de contato visual (como dentro da embalagem do produto, por exemplo);
  • Possui, ainda, a capacidade de gravar e de armazenar dados;
  • Possui maior distância de leitura – com um raio de captura em formato circular, o que facilita a leitura também;
  • Pode ler diversas tags simultaneamente, e em um intervalo de tempo menor;
  • Alta resistência contra agressores naturais, como o calor, a umidade e a poeira, entre outros.

À procura de uma solução versátil para manter seu estoque sob controle? Pois vale a pena conhecer um pouco mais a respeito do RFDI.

Conheça o WMS (Warehouse Management System)

Para fazer uso das ferramentas que apresentamos neste post, bem como a versatilidade de cada uma delas, é necessário dispor de uma ferramenta capaz de integrar os processos com eficiência. E não há elemento que desbanque a liderança do sistema WMS.

Entre as principais funcionalidades do WMS, destacamos a possibilidade de registrar horário e local em que uma operação foi executada, além de calcular os recursos e tempos levados nessa mesma operação.

Além disso, o sistema confere todo volume recebido automaticamente, mantendo em registro eventuais erros no processo, e ajuda muito no cento de distribuição ao orientar a respeito de espaços no local.

As possibilidades do WMS em integração a outros componentes tecnológicos, como os que vimos aqui, são variadas. Em geral, entretanto, elas garantem uma solução eficaz para armazenar e localizar mercadorias, bem como em sua expedição. Sempre automatizando processos burocráticos para reduzir o número de incidentes.

Mas, agora, queremos ouvir um pouquinho de você e de sua experiência no setor para complementar este post: já conhecia ou trabalha com algumas das tecnologias que mencionamos aqui? Quais são as suas considerações?

Compartilhe conosco a sua opinião no campo de comentários deste post!

Seus processos logísticos estão estruturados para garantir competitividade? - Baixe e descubra

Categorias: Logística, Distribuição

Fabricio Santos - PC Sistemas
Postado por Fabricio Santos

Gestor de Oferta - Logística Avançada

New Call-to-action
Quero uma avaliação de risco completa - Solicitar Grátis